segunda-feira, 30 de junho de 2014

Pensamentos (apenas)

Falar de sexo não me transforma numa pessoa imoral, muito menos vulgar e nem me coloca o rótulo de mulher fácil ou oferecida.
VULGAR, é deixar de falar num assunto necessário e esclarecedor para falar mal da vida alheia.
VULGAR é desejar a ruína dos outros, é descontar nas pessoas suas próprias frustrações e é culpar o mundo pelos seus fracassos.
IMORAL é evitar falar de sexo para atender uma demanda social ultrapassada.
IMORAL é esconder os próprios desejos, vontades, sonhos ou fantasias para passar o tempo a criticar os outros.
É FÁCIL SER HIPÓCRITA, difícil é ter coragem para expressar o que realmente se sente.
É FÁCIL esconderem-se atrás dos bons costumes, difícil é ser transparente.
É FÁCIL fazerem-se de santos, difícil é ter originalidade para assumir quem realmente são.
Lamento pelos que torcem o nariz a todas as vezes que ouvem ou que lêem a palavra SEXO e aos que se fingem escandalizados, porque são rótulos da sua própria mediocridade.

Aplausos aos que têm uma mentalidade óbvia e realista, sem tabus ou falsos moralismos, aos que admitem as suas vontades, desejo, fantasias, aos que falam abertamente, porque esses não precisam de provar a hipocrisia e nem o falso moralismo a ninguém, porque esses são resolvidos, destemidos e conscientes em todos os âmbitos da sua vida, esses enfrentam os olhares do mundo com coragem e orgulho das pessoas que são … 

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Momentos [nossos]


O vapor inundava o ambiente, a água caia sobre o corpo nu, tornava ainda mais difícil a respiração já pesada.
A proximidade era desconcertante; tua pele exalava um aroma sensual, teu corpo acompanhava o ritmo da música que ecoava pela casa só pra me provocar.
Sentia aquela urgência, a necessidade de domínio e posse daquele corpo por inteiro, sem receios.
Meus sentidos enlouqueceram, dominaram me e um gemido forte ecoou quando meu corpo chocou com a parede fria.
Nossos corpos molhados, envoltos sem libido, procurando o desejo supremo, o prazer inevitável adquiriram ritmo próprio, louco e frenético.
De repente um “eu te amo” escapou, sussurrado entre dentes, tímido entre os gemidos mútuos, e tudo tomou um ritmo ainda mais forte, não apenas sexos, peles, mãos e bocas que se tocavam, mas algo mais profundo se mostrava no encontro de olhares.
O auge em fim atingido, nossos corpos trémulos unidos em um abraço que por mim poderia ser eterno e o retorno de um “eu também te amo”.

O beijo veio suave, cheio de carinho e amor, um riso de cumplicidade e a certeza de nos termos amado.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

"Grand Hotel"


O dia corria com normalidade até receber aquele telefonema
"Tudo bem", respondera. "E tu como estás?"
A resposta dele é que a surpreendeu: "estou à entrada da empresa onde trabalhas"
Ela emudeceu. Mas foi rápida a pensar. Olhou para o relógio, reviu mentalmente a agenda para o dia e ouviu-se a ela mesmo dizer-lhe:
- Espera-me no bar em frente.
- Não. Espero-te na pensão ao fundo da rua.
- O quê?!
Ele desligara. "Que disparate", pensou. "E agora?". Foi à janela e viu-o caminhar na rua. Estava vestido de forma informal, com uns jeans e um blusão. Andava com um passo firme, como se não tivesses dúvidas que ela o seguiria.
- Saiu-me um grande cabrão na rifa", pensou.
O quarto era pior do que pensava. Interior, estreito, uma cama, uma mesa de cabeceira, um guarda-vestidos antigo, um lavatório e um bidé. Uma típica pensão de putas.
- Estou no Hilton, sabes? Mas este é o "grand hotel" mais próximo da tua empresa.
- E calculo que te dará uma tesão enorme um sítio promíscuo como este.
- Tanto como a ti - sussurrou-lhe ao ouvido enquanto a apertava nos seus braços.
Ela suspirou e deixou-se despir. "O gajo é bom. Tem uma lata!", pensava. Ainda teve a frieza de dobrar o vestido de executiva e pendura-lo no armário. Depois perdeu-se...
Aquele ambiente, naquele quarto ordinário, naquela cama que rangia, as grades de ferro, o tapete coçado, as cortinas da janela às florzinhas, as manchas de humidade no tecto.
Ele tratou-a como se fosse mesmo uma puta, agarrou-a pela cabeça e obrigou a sugá-lo, depois atirou-a para a cama e penetrou-a sem mais nem menos, logo a seguir colocou-a de quatro no chão, a cabeça encostada à cama e quase a violava. Sempre em silêncio, só lhe ouvia os gemidos e deixava-se ir... como uma puta a satisfazer todos os caprichos do cliente. Eram apenas dois actores – ela a puta e ele o cliente que lhe pagaria, aquele era o cenário deles.

Ele sentou-se na cadeira ao pé da porta, ela sentou-se no seu colo de costas para ele, em cima do seu sexo, devagar, muito devagar... ela ia descendo, sentindo que ele a violava em toda a sua intimidade, com gestos suaves, as suas mãos controlava os movimentos dela até se sentir completamente preenchida por ele … e quando menos esperava o orgasmo surgiu, violento, intenso … e das suas bocas soltaram-se os gritos de um prazer partilhado e dos seus corpos escorria o néctar do seu prazer … pelo quarto emanava o cheiro inconfundível do sexo animalesco que dos seus corpos transpiravam … 

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Apetece-me #34

Apetece-me fazer amor contigo
Aquele tipo de amor que começa no meio da angústia, do pânico, de umas lágrimas...mas que depois ganha intensidade para se tornar magnífico, intenso, profundo...
Apetece-me...sentir as tuas mãos a prenderem o meu cabelo, os teus olhos em mim enquanto descia por ti abaixo...enquanto "fugia" de ti....
Sentir a tua mão no meu corpo ...o desejo crescer por entre as palavras murmuradas, sussurradas...
Apetece-me fazer amor contigo...e fazer sexo contigo.
Apetece-me...ver o nosso reflexo num espelho, ver os nossos corpos juntos, colados, a contorcerem-se, a comunicarem, a dançar...


Apeteces-me sempre de tantas e variadas formas.
És o meu sabor favorito...na pele, na língua, no sexo...
 A mistura dos nossos corpos é um segredo dos deuses entregue a nós...
Vejo-te..visualizo-te...e sinto-me húmida já...sabe bem ficar assim por ti...
Sabe bem apesar de não estares mesmo aqui..

E porque não fazer da minha mão a tua mão...e chamar por ti...?

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Pensamentos Nocturnos #6

a TI …
me entrego com deleite do prazer que me demonstras e transmites com tamanha tesão e sensualidade de sentir e saborear o meu corpo com tal mestria que me deixa completamente rendida a tal poder … ansiando pelo desconhecido das tuas fantasias e pelas surpresas que me aguardam …  que eu deixe de ser quem sou por momentos e me liberte na luxuria imposta que me transforma na tela em branco aberta aos teus traços … sabes exactamente o quadro que pintar em mim …



... Sinto este desejo incontrolável ...
 ... de ser devorada ...
... possuída ...
... por TI …
... que vives o verdadeiro desejo ...
... que sentes o verdadeiro prazer de me ter ...

terça-feira, 17 de junho de 2014

"Noite"


Na tua boca mergulho louca de desejos por sentir teu sabor, sentir teu tempero
E volto ofegante para sentir-te inteiro em todos os meus instantes ... como se fossem os últimos...
Entrego-me nos teus braços, procurando na trilha do teu corpo o meu destino, o meu abrigo..
Presa e amordaçada nas tuas fantasias, regada de carinho, húmida pelos teus encantos, faço-me refém das tuas ousadias..
Nossos corpos bailam num mar de intensas ondas.. flutuamos calados, ligados pelos nossos delírios.
Em espasmos de desejo estremeço em todos os meus sentidos,
Entre gemidos e gritos, sinto-te em mim ... conhecedor dos meus delírios ... 
E no silêncio da noite, no calor dos corpos suados, na suavidade do leito adormeceremos cansados..

sábado, 7 de junho de 2014

Despertar...

O teu despertar é um convite expresso a navegar pelos teus desejos
Sentindo a minha carne na tua boca, num leve sabor de obscenidade
... línguas ... 
... lábios ...
... mãos ...
... corpos ...
... pele ... 
Facetas mergulhadas sob o luar..
Respiro fundo
Fecho os olhos
... já moldada aos teus mares ...
... o meu corpo vibra em ondas ...
... sobre o teu num maremoto de corpos em chamas ...


... os nossos ventres prestes a desaguar... 
... o teu despertar é um convite expresso para te amar ... 

quarta-feira, 4 de junho de 2014

"Nós"

Entre suspiros e pedidos, perdemos completamente a razão..
Soltos em tantos abraços, presos em tantas tentações..
Voam os desejos !!
Voam as vontades !!
Soltam-se os gemidos em êxtase 
E os corpos suados, marcados, entrelaçados deliram de prazer 
... e as noites transformam se em dias 


Sou fonte da tua fome a razão dos teus gemidos
És a fonte da minha fome a razão dos meus delírios

"TU"


"O teu corpo é a realização, dos meus sonhos mais profanos ... onde eu sei que me esperas com toda a tua emoção ... fazendo-me perder a razão"

"EU"


Meu corpo foi moldado para as tuas mãos e a elas me entrego ... fazendo de ti o "objecto" do meu desejo ... quando no meus pensamento te chamo sinto-te em mim o corpo arde, o coração grita em pulsações frenéticas, o olhar ilumina-se ... e mesmo sem sentir o teu corpo a emoção abrasa o meu corpo ... e assim aguardo por TI  

terça-feira, 3 de junho de 2014

Pensamentos (meus) #2


Os meus pensamentos são como feras encurraladas no meu corpo obcecados pelo desejo que por ti sinto ... quando pelo corpo passeio em busca daquele instante perfeito em que me perco nos teus braços ... e sobre o teu corpo delírio de desejo ... a minha alma brilha quando os teus lábios percorrem o meu corpo ... a tua língua despreocupada brinca em movimentos brandos em busca dos meus gemidos ... é nessa hora que me perco por completo em teus braços absorvida de tanto encanto quando fazes o meu corpo na tua boca soluçar em pranto ... 

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Pensamentos Nocturnos #5

Quando penso em TI
Sinto-te mesmo sem te tocar
… este sentimento não mente …
... e ...
... o corpo sente e reclama ...
... o suor escorre ... 
... a alma estremece ...
... o desejo arde em MIM ...



Quando penso em TI a minha alma chora a ausência
E é nesta hora que sinto o perigo que corro por te desejar tanto assim